Princípios da obra de Anísio Teixeira


Anísio Teixeira foi o idealizador no Brasil da oferta de educação pública gratuita de qualidade e para o acesso de todos, bem como do ensino em tempo integral. Foi o pioneiro na implantação das escolas públicas brasileiras e, por isso, é considerado o principal idealizador das grandes mudanças que marcaram a educação brasileira no século 20. Os princípios anisianos de uma escola pública de qualidade vieram com a sua participação no Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova. 

Como teórico da educação, Anísio também defendeu ideias filosóficas de John Dewey (1852-1952), que considerava a educação como uma reconstrução da experiência. A partir dessas e outras práticas teóricas, Anísio Teixeira idealizou o seu papel enquanto educador para além do papel de gestor das reformas educacionais, provocando atitudes de inquietação permanente diante dos fatos, considerando a verdade não como algo definitivo, mas que se busca continuamente.

Anísio Teixeira, portanto, passou a ofertar à educação brasileira princípios norteadores de uma prática educacional que possibilitassem ao estudante exercitar a autonomia, concretizando-se enquanto sujeitos conscientes e questionadores, capazes de resolver seus próprios problemas, com uma “educação em mudança permanente, em permanente reconstrução”, segundo ele.

As responsabilidades da escola seriam, então, promover a educação ao invés de apenas instruir os estudantes sobre determinados assuntos determinados nos componentes curriculares; formar cidadãos livres em vez de dóceis; preparar para as incertezas do seu futuro em vez de transmitir um passado estabilizado, linear e sem questionamentos; e ensinar os sujeitos a possuírem uma formação humana integral, com mais inteligência, tolerância e felicidade. 

Os processos de aprendizagem dos estudantes, portanto, não se restringiria à memorização, mas sim a reflexão, a compreensão e a expressão do estudante daquilo que aprendeu. Para Anísio, o estudante aprende, além dos fatos e das ideias, os ideais, as atitudes, para que construa o seu senso crítico – e a escola precisa exercitá-lo. A escola é um lugar onde se vive, não um espaço que apenas prepara para a vida. Portanto, as aprendizagens dos estudantes, integradas aos seus múltiplos saberes, precisam despertar o seu interesse, provocando-lhe satisfação.

Entendemos que os princípios anisianos devem ser norteadores das práticas educacionais e, por isso, levantamos a importância em construir uma Jornada Pedagógica através da implementação de práticas ancoradas nessas diretrizes. 

Sabendo que a arte desenvolve no ser humano é um senso crítico, empatia, pontos de vistas diferentes e inquietação de uma realidade que pode ser melhorada através da educação.  A expressão cultural dentro das escolas aproxima os discentes e docentes da comunidade escolar, tornando um maior engajamento, dessa forma, os alunos tendem a enxergar a sua própria cultura e diversas outras sendo aprendidas e por tanto, observada pelos colaboradores da unidade de ensino. 

É valoroso o processo de enxergar a própria cultura, conhecer e respeitar outras, tornando o ambiente escolar e por consequência final a sociedade um lugar melhor com pessoas conscientes e empáticas.

No plano político, Anísio via a educação como promotora da democracia e a instituição universitária como indutora de desenvolvimento cultural, artístico, econômico e tecnológico do ser humano.  (Naomar Almeida Filho)

Segundo as 10 competência da BNCC, além de assegurar o aprendizado do aluno, é importante ampliar a capacidade de lidar com pensamento crítico, criatividade, sensibilidade cultural, diversidade, comunicação, tecnologias e cultura digital, projeto de vida, argumentação, autoconhecimento, autocuidado, emoções, empatia, colaboração, autonomia, ética, diversidade, responsabilidade, consciência socioambiental e cidadania, entre outros aspectos importantes para a vida no século 21.

A cultura é transformadora e tem o poder de abrir horizontes, tornando o aluno um ser humano e profissional apto para construir relacionamentos na sociedade.